Albert Einstein nasceu em 1879, numa família judia pobre. Cresceu num ambiente antissemítico, o que produziu nele um complexo de inferioridade. Tornou-se tão introvertido que foi levado a ser examinado por especialistas. E ele foi reprovado na primeira tentativa de ingresso na Escola Politécnica de Zurique. É desse quadro de fracasso que surge o cientista mais renomado do século XX. O fracasso não é determinante se for administrado de forma sábia.

John Kennedy, ex-presidente americano, pontuou: “O sucesso tem muitos pais, mas o fracasso é órfão. Ninguém quer assumi-lo”. Enquanto alguns enfrentam bem o fracasso, a maioria se vê encurralada por ele. Um dos principais segredos da vida é saber lidar com o fracasso. O conhecido palestrante Zig Ziglar ponderou acertadamente: “Saber como se beneficiar do fracasso é a chave para o sucesso.” O fracasso pode se tornar uma grande oportunidade.

O fracasso pode ser do tipo pontual e secundário. É o caso quando um dado projeto não se concretiza. E há os fracassos fundamentais. O fracasso existencial, se dá quando há uma frustração em relação a expectativa da vida em geral. E há o fracasso moral, é o fracasso quando se falha diante dos sempre edificantes princípios divinos. Todos experimentam esse tipo de fracasso.

Entretanto, todos tipos de fracasso são de natureza espiritual. Relacionam-se e são equacionados, bem ou mal, conforme os valores transcendentes que o indivíduo adota, ou não adota, formatando assim sua visão de existência. Mas, seja qual for o tipo de fracasso, ninguém sai o mesmo de um fracasso.

Se o fracasso for tratado na presença de Deus, o indivíduo sempre sai melhor. O contrário também é verdade, se não for tratado com Deus, o fracasso produz males variados, dependendo da pessoa e acontecimento: amargura, subterfúgio, ressentimento, descrença, sarcasmo, arrogância, etc. Diferentemente, quando se trata o fracasso com Deus, a humildade toma conta do coração. E dali o indivíduo sai mais dependente de Deus, pronto a rever e modificar sua conduta e atitude. E, com a graça de Deus, sai cheio de força e sabedoria para recomeçar.

O acontecido com o apóstolo Pedro é bem ilustrativo. Num dado momento, antevendo a crucificação, Cristo informou a Pedro e aos outros discípulos que eles o abandonariam quando ele fosse preso, e que Pedro inclusive o negaria antes do canto do galo. Pedro reagiu a essa colocação de Cristo com uma bravata: “Ainda que todos te abandonem, eu não te abandonarei” (Marcos 14:29). Então, Cristo alertou Pedro que ele o negaria três vezes na noite de sua prisão.

Cristo foi preso, Pedro se coloca incógnito entre a multidão, acompanhando os acontecimentos noite adentro. Então foi interpelado por duas pessoas que questionaram se ele não pertencia ao grupo de Cristo. Pedro negou veementemente. Em seguida o galo cantou. Imediatamente Pedro caiu em si, e passou a chorar, mas não um simples choro. A narrativa diz que ele “chorou amargamente” (Mateus 26:75).

Apesar dessa falha tremenda, Deus levantou Pedro para uma história de sucesso. Do choro de Pedro Deus inicia um novo começo para Pedro. Depois da ressurreição, Cristo vai ao encontro de Pedro. Agora, não cheio de bravatas, mas em estado de quebrantamento, Cristo o restaura. E Pedro se torna uma história de sucesso no Cristianismo, passando inclusive a ser conhecido a volta do mundo através dos séculos pela obra que realizou. Um coração humilde na presença de Deus vira sempre uma história de superação. Com Deus, sempre se vai para frente.

Fracassado não é rótulo para quem fracassa, mas para quem permanece no fracasso. Ninguém precisa permanecer no fracasso. É preciso apenas lançar mão da provisão de Deus. Isso envolve humildade reconhecer o fracasso e limitação pessoal, o que move a pessoa a buscar a presença de Deus, na dependência da graça e misericórdia manifestadas em Cristo. Todo o fracasso humano caiu sobre Cristo na cruz. Especialmente o maior dos fracassos, e das ilusões: o pecado – viver sem uma devoção e dependência total de Deus, e indiferente à vontade dele.

Em Cristo, o orgulho ferido é tratado, a descrença é erradicada, a força é renovada e a alma é purificada. É o encontro com o perdão, cura, renovação, redirecionamento e um novo começo. Com Deus o indesejado fracasso se torna uma grande oportunidade de crescimento.