O que eu diria para um jovem universitário que está namorando?

Eu diria que o impulso de namorar é bom, é do Senhor. Mas eu os advertiria. Muitos rapazes e moças querem criar essa relação de “quase-aliança” que, os olhos de Deus, na verdade não existe. Se vocês estão em Cristo e observarem como Deus identifica os relacionamentos entre homens e mulheres, verão que são “irmão e irmã” ou “marido e esposa”. Não há realmente algum lugar do meio. Eu encorajaria um jovem assim: “Se você está interessado em uma garota e pensa que ela poderia ser sua futura esposa, passe tempo com ela, isso é ótimo! Mas você precisa se disciplinar a pensar da seguinte forma: ‘Ela é minha irmã no Senhor’.” A primeira carta a Timóteo é clara. Trate as mulheres mais velhas como mães e as mulheres mais jovens como irmãs, com absoluta pureza (1 Timóteo 5:2). Você não faz sua irmã de boba ou se aproveita dela, porque isso é errado, certo?

Como seria, na prática, tratar uma garota com pureza, como se fosse sua irmã?

Você deve usar todos os recursos para ajudá-la a ser tudo o que Deus deseja que ela seja. Encoraje-a a ir à igreja. Encoraje-a a estar com outras mulheres sábias que possam inspirá-la. Encoraje-a a buscar mais o Senhor. Celebre suas vitórias com Cristo. Não tire isso dela ou trate-a como se fosse seu marido.

Já ouvi de alguns jovens: “Estou namorando uma garota. Temos feito devocional juntos. Como eu a lidero?”. Eu então respondo: “Não sei o que você quer dizer, cara. Você não é o líder dela. Você não tem nenhuma autoridade sobre a vida dela. Ela é uma irmã e você é um irmão. Agora, vocês estão passando algum tempo juntos? Tudo bem, façam isso.”

Então lhes dou Romanos: “Revistam-se do Senhor Jesus Cristo, e não fiquem premeditando como satisfazer os desejos da carne”(Romanos 13:14). Eu digo a eles: “Sejam privados em público. Passe algum tempo com ela, mas faça-o com um grupo de amigos. Passe algum tempo com ela, mas faça-o em uma cafeteria ou em um restaurante, onde é muito menos provável que tenham intimidade física.” Eu oriento: “Vão a algum lugar público para cultivar o relacionamento. Não usem o quarto ou fiquem sozinhos em casa. Fiquem fora desse espaço. Não alimentem os desejos da carne.” Vão a lugares onde possam falar sobre coisas santas, boas e encorajadoras. Por que? Porque em última análise, se você vai se casar com ela, o desejo sexual terá o seu lugar, mas a maior parte do seu tempo será ocupado desenvolvendo o relacionamento.

Se você colocou combustível e acendeu o fogo da parte física, perdeu o significado e propósito do namoro. O namoro é para descobrir se eu gosto de estar com essa pessoa. Evite a estimulação física para que você possa avaliar: “Somos feitos para estar um com o outro? Gostamos da companhia um do outro? Ela seria uma boa amiga? Gostaria de sair com ela pelos próximos 30 anos?” Se for esse o caso, a realização do desejo físico seguirá naturalmente depois que você entrar na aliança do casamento.

Isso é o que eu diria para um jovem. Viva na tensão de não ter nenhum direito sobre a vida um do outro. Confie em Deus. Mantenha a pureza. Então, depois de desenvolver o relacionamento, você entra na aliança do casamento e pode desfrutar das bênçãos de Deus na intimidade física.

________________________________________

Ben Stuart é pastor da Igreja Passion City, em Washington (EUA).

Texto original (em inglês) “Advice for Guys on Dating” disponível em https://www.desiringgod.org/advice-for-guys-on-dating